Reinfecção de Covid se tornou mais comum com Ômicron, afirma estudo

Um estudo feito na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, traz evidências de que a variante Ômicron do coronavírus é capaz de provocar reinfecções em um intervalo menor de tempo. Nas ondas anteriores da Covid-19, as reinfecções ocorriam após cerca de seis meses. Na atual, foram verificados ocorrências assim apenas 90 dias depois da primeira infecção

A descoberta, publicada este mês na revista científica Science, explica porque algumas pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 duas ou três vezes nos últimos meses.

Os cientistas atribuem a vantagem do vírus às múltiplas mutações encontradas na proteína Spike. “A principal vantagem dessa variante é sua capacidade de evitar a imunidade adquirida naturalmente (nas ondas anteriores)”, escreveram os autores do estudo.

Felizmente, apontam os pesquisadores, a variante Ômicron não evita totalmente as estratégias de defesa construídas pelas vacinas. Embora os imunizantes não evitem a infecção, eles continuam protegendo a população das formas graves da doença.

O estudo foi feito a partir da análise de testes de aproximadamente 3 milhões de pessoas diagnosticadas com a doença entre março de 2020 e janeiro de 2022.

Veja também:

Elirio Dambros fala sobre prós e contras do uso de fraldas descartáveis

Que as fraldas descartáveis vieram para facilitar a vida dos pais, disso ninguém tem dúvida. No entanto, ainda se investiga os impactos causados pelo seu uso na saúde...

Olhar empático: executivo do mercado cripto investe pesado em incentivo ao esporte no país

Clélio Cabral é gerente da gestora de criptoativos Braiscompany e segue os passos do CEO da empresa, Antonio Neto Ais que também é destaque...

Reclusa após abandonar a TV, Ana Paula Arósio ressurge com novo visual

Atriz decidiu deixar a carreira há cerca de 12 anos, quando desistiu de protagonizar uma novela da TV Globo em horário nobre Longe dos holofotes...

Recentes