Reinfecção de Covid se tornou mais comum com Ômicron, afirma estudo

Um estudo feito na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, traz evidências de que a variante Ômicron do coronavírus é capaz de provocar reinfecções em um intervalo menor de tempo. Nas ondas anteriores da Covid-19, as reinfecções ocorriam após cerca de seis meses. Na atual, foram verificados ocorrências assim apenas 90 dias depois da primeira infecção

A descoberta, publicada este mês na revista científica Science, explica porque algumas pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 duas ou três vezes nos últimos meses.

Os cientistas atribuem a vantagem do vírus às múltiplas mutações encontradas na proteína Spike. “A principal vantagem dessa variante é sua capacidade de evitar a imunidade adquirida naturalmente (nas ondas anteriores)”, escreveram os autores do estudo.

Felizmente, apontam os pesquisadores, a variante Ômicron não evita totalmente as estratégias de defesa construídas pelas vacinas. Embora os imunizantes não evitem a infecção, eles continuam protegendo a população das formas graves da doença.

O estudo foi feito a partir da análise de testes de aproximadamente 3 milhões de pessoas diagnosticadas com a doença entre março de 2020 e janeiro de 2022.

Veja também:

AUXÍLIO BRASIL: governo pretende pagar o valor de R$ 600 em breve

A PEC (proposta de emenda a Constituição) titulada de Kamikaze determina que o valor suba de R$ 400 para R$600 por tempo limitado e,...

André Marques se despede da Globo: “Amor de quase 30 anos”

André Marques deixou a Globo após mais de 28 anos na emissora. O ator e apresentador se despediu da emissora neste sábado (2/7) durante o programa É...

Homem é preso em flagrante após esfaquear outro na Asa Sul durante briga

Um homem foi preso pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) após tentar matar outro na Asa Sul. De acordo com a PMDF, os dois envolvidos vivem...

Recentes