Musculação para tratar idoso?

Certamente você ouviu de algum conhecido que musculação é coisa de jovem!

Hoje sabemos que a SARCOPENIA (processo natural e progressivo de perda de massa muscular e função muscular que acontece no envelhecimento) é um importante preditor de taxa de mortalidade na população idosa, o que contradiz essa afirmação.

A SARCOPENIA é a causa mais importante relacionada ao declínio funcional e perda da independência no adulto geriátrico. E quais as causas que levam a sarcopenia? A SARCOPENIA é uma alteração multifatorial está envolvida com alterações hormonais, declínio neurológico, ativação de vias inflamatórias, doenças crônicas, infiltração gordurosa – aumento da gordura corporal, deficiência nutricional, todos esses são fatores que contribuem para a SARCOPENIA.Estima-se que a SARCOPENIA já se inicia à partir dos 40 anos e aos 60 anos já perdemos em média 50% a mais de massa muscular.

Então vamos lá, um estudo realizado no Brazil na Universidade de São Paulo buscava avaliar os efeitos da sarcopenia, tecido adiposo subcutâneo e da gordura visceral no risco de mortalidade em uma comunidade de adultos idosos, foram reunidos 839 pacientes (62% mulheres e 38% homens) com mais ou 65 anos, para determinar composição corporal desses pacientes foram submetidos a exames de imagem, de laboratório e questionário baseado em dados clínicos. 
A sarcopenia foi definida como baixa massa muscular em membros inferiores ajustado para a gordura corporal. 

Seguidos por uma media de 4 anos, 15.7% dos pacientes evoluiu a óbito. Nos homens os fatores como sarcopenia, gordura visceral e índice de massa gorda ambos aumentaram o risco cardiovascular, já nas mulheres a sarcopenia por si só pode ser considerada o maior preditor de todas as causas de óbito bem como doenças cardiovasculares. 

Então senhores a SARCOPENIA e OBESIDADE é sim problema de idoso e são responsáveis pelo aumento do risco cardiovascular desses pacientes de acordo com as diferenças entre sexo. 

E então quais seriam as dicas para driblar essas alterações?

Além do seguimento e acompanhamento multidisciplinar coordenado por um médico que entende do assunto é importante avaliar alimentação e suplementação nutricional, perfil hormonal bem como controle das doenças crônicas. 

Das dicas de ouro: alimentação saudável e balanceada, refeições ricas em vegetais, legumes e proteínas são necessárias. Além disso manutenção de atividades básicas, mesmo que dentro de casa caminhadas acompanhadas e assistidas são de grande valia uma vez que vão ajudar a movimentar e estimular o funcionamento muscular. Quando possível os exercícios resistidos (musculação) devem ser a escolha desde que bem orientados.

References:
[1] Thibault R, Pichard C. Ann Nutr Metab 2012.
[2] M Zamboni, G Mazzali, E Zoico, et al. International Journal of Obesity 2005.
[3] Yves Rolland, Adeline Gallini, Christelle Cristini, et al. Am J Clin Nutr 2014. DOI: 10.1136/annrheumdis-2017-eular.2224
[4] Jeremy D. Walston. Curr Opin Rheumatol. 2012 Nov; 24(6): 623–627. doi: 10.1097/BOR.0b013e328358d59b.

Veja também:

AUXÍLIO BRASIL: governo pretende pagar o valor de R$ 600 em breve

A PEC (proposta de emenda a Constituição) titulada de Kamikaze determina que o valor suba de R$ 400 para R$600 por tempo limitado e,...

André Marques se despede da Globo: “Amor de quase 30 anos”

André Marques deixou a Globo após mais de 28 anos na emissora. O ator e apresentador se despediu da emissora neste sábado (2/7) durante o programa É...

Homem é preso em flagrante após esfaquear outro na Asa Sul durante briga

Um homem foi preso pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) após tentar matar outro na Asa Sul. De acordo com a PMDF, os dois envolvidos vivem...

Recentes