Governo admite pagamento de seguro-desemprego a mortos e culpa sistema

O Ministério do Trabalho e da Previdência admitiu que pode ter pagado seguro-desemprego a pessoas que já morreram.

A pasta explica que o sistema de gestão do benefício faz uma conferência com o Cadastro Nacional de Informações Sociais (Cnis) para avaliar se o segurado faleceu antes de cada pagamento. “Contudo, a incorporação dessa informação ao Cnis leva alguns dias, o que pode permitir que pagamentos a segurados falecidos sejam realizados”, pontua, em nota.

Auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU), nessa terça-feira (24/5), identificou que o governo pode ter pagado, de maneira irregular, R$ 97,239 milhões em seguros-desemprego solicitados no ano passado.

Desse total, aproximadamente R$ 7,608 milhões foram destinados a pessoas que já estariam mortas.

Também foram encontrados pagamentos indevidos de R$ 78,6 milhões a beneficiários com outro vínculo ativo ou aposentados e pensionistas, e de R$ 9,9 milhões a trabalhadores demitidos por justa causa ou a pedido.

Além disso, a CGU levantou “situações de risco” que, apesar de não representarem falhas de controle, podem resultar em pagamentos em desacordo com os objetivos pretendidos pelo programa. Nessa situação, o governo federal pagou, por exemplo, R$ 599,7 milhões a pessoas com o CPF em situação diferente de “regular” na Receita Federal.

“As potenciais irregularidades identificadas representam menos de 1% do total de requerimentos processados no período”, ressaltou o Ministério do Trabalho.

A pasta assegurou que a gestão do benefício envolve diversas etapas de validação e segurança para evitar o pagamento indevido.

“Com relação às demais suspeitas de irregularidades, reforçamos que não se trata de informações que o Ministério ignorou no momento do pagamento, mas sim informações que só se tornaram disponíveis após o pagamento”, disse o órgão.

Metodologia

A Controladoria-Geral da União analisou os números do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) de 2021.

No caso do seguro-desemprego, a auditoria abarcou 2,641 milhões de requerimentos feitos entre 4 de janeiro e 8 de outubro. Os pedidos são de trabalhadores demitidos no primeiro semestre do ano passado.

Veja também:

Klara Castanho revela gravidez e adoção de bebê após sofrer estupro

Alertamos sobre o conteúdo desta matéria. Pessoas sensíveis devem evitar a leitura. A atriz Klara Castanho, de 21 anos, usou seu Instagram para revelar que foi...

Acusada de expôr Klara Castanho, Antonia Fontenelle se pronuncia

Antonia Fontelle rebateu as críticas que vem recebendo na web desde a exposição do caso da atriz Klara Castanho. Na ocasião, a apresentadora citou o caso de uma atriz...

Branco Mello volta aos palcos após tratamento contra o câncer

Branco Mello, de 60 anos de idade, baixista e vocalista do Titãs, está de volta aos palcos após o tratamento contra o câncer. A...

Recentes