Entenda por que novo método contra câncer colorretal é uma promessa

No último domingo (5/6), a publicação de um estudo que teve sucesso no tratamento de todos os pacientes participantes com um tipo específico de câncer colorretal chamou a atenção da comunidade científica. Resultados tão bons em um grupo não são comuns em medicina, e muito menos no tratamento de câncer.

O diretor de oncologia da Dasa, Gustavo Fernandes, trabalhou no Memorial Sloan Kettering Cancer Center, nos Estados Unidos, onde foi feita a pesquisa inovadora, e é o segundo autor de um estudo no qual se testava um protocolo de tratamento em pacientes com o mesmo problema, uma mutação específica que atinge cerca de 5% dos diagnosticados com o câncer colorretal.

Essas pessoas têm uma falha nas enzimas de reparo do DNA — por isso, o tumor tem várias mutações genéticas que o fazem responder mal à quimioterapia sozinha, mas bem ao combo quimio e rádio. “Fizemos um estudo em pacientes que fizeram quimio, rádio e cirurgia, e colocamos imunoterapia depois. Todos tiveram resposta”, lembra Fernandes.

Enquanto isso, a pesquisa divulgada no último domingo estava começando a se desenhar. O médico Luiz Diaz, primeiro autor do estudo, queria testar se a imunoterapia logo de cara, sem outras modalidades, funcionaria contra esse tumor.

“Eu e a Andrea (Cercek, uma das autoras do novo estudo) queríamos fazer a imunoterapia, e depois a quimioterapia e a rádio. Mas o Luiz tem uma mentalidade mais disruptiva. Se aprendi algo com ele, foi a não sonhar baixo”, conta o oncologista Gustavo Fernandes.

Ele explica que a maior polêmica era mexer em um tratamento que funciona na maior parte dos casos. O grupo tinha dúvidas se o comitê de ética aprovaria o estudo, e Diaz justificou a pesquisa com a possibilidade de melhorar os efeitos colaterais do tratamento a longo prazo – o método tradicional preserva a vida mas pode deixar sequelas como incontinência urinária, fecal e infertilidade.

Vantagens claras

Fernandes voltou ao Brasil e, em 2019, cinco anos depois, recebeu a notícia que o estudo tinha começado e dois pacientes tiveram resposta completa. O dado divulgado na revista científica The New England Journal of Medicine dá conta de 18 indivíduos tratados, 14 com resposta completa e quatro com resposta parcial (pelo tempo de pesquisa, já que esses pacientes começaram o protocolo depois do primeiro grupo).

O tratamento também deve evitar que esses pacientes tenham câncer em outros órgãos, já que o medicamento “acende” o sistema imunológico e suprime qualquer outro ponto de câncer. “É lindo, é o que a gente quer que aconteça com a oncologia: que o paciente receba um tratamento específico para o caso dele”, afirma.

A droga usada, o dostarlimab, é aprovada em vários países, inclusive no Brasil, para câncer de endométrio. Porém, Fernandes acredita que outros medicamentos da mesma classe dele (bloqueio de PD1) tenham o mesmo efeito, ou seja, os benefícios não devem estar atrelados a apenas um remédio.

Próximos passos

Agora, os próximos passos da pesquisa incluem entender o tempo de duração dos efeitos e se o câncer não vai retornar. Fernandes está otimista: segundo ele, outros tipos de tumor com terapias semelhantes têm sucesso a longo prazo.

Outro ponto importante é o tempo de tratamento. O estudo usou o remédio por seis meses, mas quando ele é usado para câncer de endométrio, a média é de dois anos de tratamento. “É um medicamento caro, estimamos um gasto de R$ 60 mil por mês. Se funcionar com apenas seis meses, é uma economia de um ano e meio”, pontua o médico.

Fernandes diz que o estudo abre portas para o método ser usado em outros tipos de câncer, incluindo o de cólon e de pele melanoma, por exemplo. “É um tratamento de uma terapia só, não invasiva, que faz uma correção do sistema imunológico. Isso vai passar a ser provocado em várias outras doenças”, prevê o oncologista.

Veja também:

Klara Castanho revela gravidez e adoção de bebê após sofrer estupro

Alertamos sobre o conteúdo desta matéria. Pessoas sensíveis devem evitar a leitura. A atriz Klara Castanho, de 21 anos, usou seu Instagram para revelar que foi...

Acusada de expôr Klara Castanho, Antonia Fontenelle se pronuncia

Antonia Fontelle rebateu as críticas que vem recebendo na web desde a exposição do caso da atriz Klara Castanho. Na ocasião, a apresentadora citou o caso de uma atriz...

Branco Mello volta aos palcos após tratamento contra o câncer

Branco Mello, de 60 anos de idade, baixista e vocalista do Titãs, está de volta aos palcos após o tratamento contra o câncer. A...

Recentes