Com piora global da saúde mental, OMS pede mais investimentos no setor

Por conta do aumento de problemas de saúde mental no mundo todo durante a pandemia da Covid-19, a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu, em documento publicado nesta quinta (17/6), que todas as nações façam mais investimentos no setor, enfatizando que “o sofrimento é enorme”.

Somente em 2020, as taxas de depressão e ansiedade subiram 25%, em um momento em que os escassos recursos de saúde estavam voltados para o combate do coronavírus.

Se antes da Covid-19, quase 1 bilhão de pessoas viviam com um transtorno mental, segundo relatório da agência da ONU sobre a situação da saúde mental global, a tendência é que esse número tenha sofrido um aumento drástico nos últimos anos.

Apesar do crescimento do interesse pelo assunto, não houve melhora nos investimentos dos países na área. De acordo com o relatório da OMS, apenas 2% dos orçamentos nacionais de saúde e menos de 1% de toda a ajuda internacional são dedicados à saúde mental.

“TODOS ESSES NÚMEROS SÃO MUITO, MUITO BAIXOS”, DECLAROU O CONSULTOR DA UNIDADE DE SAÚDE MENTAL DA OMS MARK VAN OMMEREN, EM COLETIVA DE IMPRENSA.

Desigualdade e estigmas

O documento ainda aponta que uma em cada oito pessoas no mundo vive com uma doença mental. O Relatório Mundial sobre Saúde Mental indica que essa realidade é agravada em situações de desigualdade no acesso a cuidados. Em países de alta renda, mais de 70% das pessoas com psicoses recebem tratamento, contra 12% em países de baixa renda.

O relatório pede ainda o fim da estigmatização associada à saúde mental. Segundo o documento, uma em cada 20 tentativas de suicídio leva à morte, sendo essa a causa de uma em cada 100 mortes anualmente em todo o mundo.

O diretor-geral da OMS Tedros Adhanom Ghebreyesus afirmou em nota que todos, em algum momento da vida, terão contato com alguém que sofre de problemas mentais.

“INVESTIR EM SAÚDE MENTAL É INVESTIR EM UMA VIDA E EM UM FUTURO MELHOR PARA TODOS”, CONCLUI.

Veja também:

Elirio Dambros fala sobre prós e contras do uso de fraldas descartáveis

Que as fraldas descartáveis vieram para facilitar a vida dos pais, disso ninguém tem dúvida. No entanto, ainda se investiga os impactos causados pelo seu uso na saúde...

Olhar empático: executivo do mercado cripto investe pesado em incentivo ao esporte no país

Clélio Cabral é gerente da gestora de criptoativos Braiscompany e segue os passos do CEO da empresa, Antonio Neto Ais que também é destaque...

Reclusa após abandonar a TV, Ana Paula Arósio ressurge com novo visual

Atriz decidiu deixar a carreira há cerca de 12 anos, quando desistiu de protagonizar uma novela da TV Globo em horário nobre Longe dos holofotes...

Recentes